sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

ROCKY BALBOA (2006) - ESTADOS UNIDOS




 Nostálgico

Sexto filme da saga, Rocky (Sylvester Stallone), é um homem aposentado, na casa dos cinquenta e tantos anos. Um homem que chegou ao ápice de sua carreira com inesquecíveis combates, idolatrado pelo público, mas que agora, de certa maneira, o esqueceu. Possui um restaurante onde recebe pessoas interessadas em ouvir suas histórias, porém a vida cobra muito caro a perda do sucesso. Rocky gostaria de ser Rocky para sempre, mas foi derrotado por seu maior adversário: a idade. 


Certo dia ao assistir a uma simulação de game, onde ganharia do atual campeão mundial, Mason 'The Line' Dixon (Antonio Tarver), tudo volta: suas conquistas e embates, sua vida ao lado da falecida esposa, Adrian (Talia Shire), seu relacionamento pouco próximo do filho e seu único e verdadeiro amigo de todas as horas: Paulie (Burt Young), irmão de Adrian. Rocky resolve mais uma vez voltar ao boxe, como se estivera no passado, mas a comissão, a princípio, o rejeita,  devido a sua idade e a antiga lesão que sofrera contra o lutador soviético Ivan Drango (Dolph Lundgren em “Rocky IV”). Ele apela para o emocional do comitê e tem sua licença renovada. 


De olho na popularidade que Rocky ainda traz, os empresários de Mason o convencem a recrutar Rocky para uma luta de exibição. Mason é um campeão contestado, numa época em que o esporte perdeu parte de sua glória (aqui podemos ver claramente uma crítica ao esporte, que teve grandes lutadores e que toda hora reveza-se de campeão). Ele aceita retornar, mas esbarra na reprovação de seu filho (o bom ator Milo Ventimiglia de filmes como “Gamer” e “Amaldiçoados”) que vive à sombra do pai e vê na luta o retrocesso de tudo que fez para desvincular-se da figura de seu elo paterno. Mason entra no ringue para uma luta de exibição e Rocky para a sua última luta: contra seu oponente e contra os fantasmas do passado.



Este último exemplar da saga centra-se mais no sentimentalismo e no quanto os anos podem minar uma pessoa. Aqui não vemos mais um Rocky confiante e determinado. Vemos um homem que perdeu seu alicerce (a esposa), tem um restaurante como ocupação e vive de contar sua história num tom de nostalgia. Um exemplo é a cena dos empresários no restaurante, quando Rocky pergunta se querem ouvir alguma história e um dos presentes diz "deixa para outra hora". Rocky não é o cara da vez e não o será a não ser que vá novamente para os holofotes. Paulie que, ao longo da saga, desprezava a irmã, sente sua falta imensamente (algo como "só quando perdemos é que damos valor") e vive numa melancolia à espera do fim da vida.

A utilização de um boxeador profissional (Antonio Tarver) rendeu ótimos frutos neste filme, ao contrário do filme anterior com o posteriormente campeão mundial (e falecido) Tommy Morrison. O filme foi considerado o pior da franquia e a ideia de um Rocky impotente para o esporte não agradou a muitos, levando o confronto para a briga de rua. O personagem de Tarver não é um gigante soviético, um ególatra (Apollo de "Rocky I e II") ou um furioso boxeador (Cruber Lang de "Rocky III"). É, apenas, um homem que lutou para chegar onde está, mas chegou tarde, numa era em que o boxe perdeu sua popularidade e não há mais grande lutadores (destaque para a aparição relâmpago de Mike Tyson, o último dos Grandes Boxeadores Clássicos). Alguns devem ter percebido a diferença de peso entre Rocky e Mason, sendo este último bem mais magro. É que Tarver é lutador da categoria meio pesado (até 79,38 kg) e Stallone sempre teve o seu personagem nos pesos pesados.  Essa diferença de categoria é perceptível aos olhos do espectador, mas a bem do andamento do filme consideremos como ambos estando dentro da mesma categoria.


Stallone foi esperto e assim como em "Rambo IV", atualizou o personagem, o humanizou, retirando aquele ar de inocência excessiva que o personagem carregava. Aqui não há espaço para isso, pois a vida lhe tirou a ingenuidade, deixando-lhe apenas seu coração bondoso pulsando. Rocky só quer dizer: eu ainda existo, eu estou aqui sobrevivendo, não me esqueçam !
Dar um final decente a um dos ícones do cinema (odiado por muitos, idolatrado por milhões) foi uma ideia perigosa, muito em parte devido a idade avançada do ator para o papel (60 anos). Mas Stallone em uma forma física invejável para sua idade, consegue fazer um filme sólido que abandona o ufanismo do quarto filme e o confronto pelo confronto do terceiro fazendo uma volta às origens. A luta em si é o de menos. 



Apesar de possuir lutas bem coreografadas, em parte por Antonio Tarver ser um boxeador de verdade e possuir cenas dramáticas de Rocky, como a do personagem em sua discussão com o filho, utilizada hoje em palestras motivacionais, ou a perda da esposa e um pretenso início de uma nova vida sentimental, o filme não chega a ser um primor como seu primeiro Rocky. Stallone pode não ser um excelente ator (para a crítica especializada), mas tem carisma, dirige bem e sabe o que sua plateia quer. Não faz filme para os críticos de plantão, o faz para quem quer o cinema pipoca, escapista, estilo anos 80, tão cultuado hoje.  E o exemplo disso foi o filme “Creed: Nascido para Lutar”, que o levou a concorrer ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante. Rocky deu um Oscar a Stallone, Creed poderia ter sido seu segundo frente ao personagem.



O filme apresenta um final alternativo em que muda o resultado do confronto, mas  o que foi levado as telas provou-se ter sido a melhor escolha. Durante os créditos finais temos boas cenas, que mostram o simbolismo do personagem junto ao público, principalmente o americano. No fim, uma boa despedida do personagem (se não consideramos  Creed, onde não luta) que passeou por três décadas nas telonas e telinhas do mundo todo.




Trailer:



Curiosidades:
Principais títulos de Tarver (meio-pesado)
3 Campeonatos Mundiais
Total  de lutas:   36
Vitoria     29
Por nocaute    20
Derrotas     6
Empates     1


Principais adversários de Rocky:


Apollo Creed (Rocky I e II)

Hulk Hougan (Rocky III)

Clubber Lang  (Rocky III)
 
Ivan Drago (Rocky IV)
  
Tommy Gun (Rocky 5)

Mason "The Line" Dixon (Rocky Balboa)

Trilha Sonora:
High Hopes - Frank Sinatra
It's a Fight  -  Three 6 Mafia
Somebody Told Me  -  The Killers
Boy Looka Here  -  Rich Boy
Ooh Baby Baby -  Smokey Robinson & The Miracles
Que Te Ruegue Quien Te Quiera  -  Banda el Recodo
Take You Back  -  Frank Stallone and Valentine
You Wake Up the Heart in Me -  Frank Stallone
Get Up -  Frank Stallone
Una Furtiva Lagrima -   Peter Dvorský
Libiamo, Libiamo Ne'lieti Calici  -  Giuseppe Verdi
O Mio Babbino Caro - Giacomo Puccini
E Lucevan le Stelle  -  Giorgio Casellato Lamberti
La Donna è Mobile  - Giuseppe Verdi
Gonna Fly Now -  Bill Conti

Filmografia Parcial:
Sylvester Stallone
 

 









Os Lordes de Flatbush (1974); Corrida da Morte - Ano 2000 (1975); Cannonball - A Corrida do Século (1976); Rocky: Um Lutador (1976); A Taberna do Inferno (1978); Rocky II: A Revanche (1979); Os Falcões da Noite (1981); Fuga Para a Vitória (1981); Rocky III: O Desafio Supremo (1982); Rambo - Programado Para Matar (1982); Os Embalos de Sábado Continuam (1983); Rambo II - A Missão (1985); Rocky IV (1985); Stallone Cobra (1986); Falcão - O Campeão dos Campeões (1987); Rambo III (1988); Condenação Brutal (1989); Tango e Cash - Os Vingadores (1989); Rocky V (1990); Risco Total (1993); O Demolidor (1993); O Especialista (1994); O Juiz (1995); Assassinos (1995); Daylight (1996); Cop Land: A Cidade dos Tiras (1997); D-Tox (2002); Pequenos Espiões 3-D: Game Over (2003); Rocky Balboa (2006); Rambo IV (2008); Os Mercenários (2010); Os Mercenários 2 (2012); Alvo Duplo (2012); Rota de Fuga (2013); Os Mercenários 3 (2014); Creed: Nascido para Lutar (2015); Guardiões da Galáxia Vol. 2 (2017); Plano de Fuga 2: Hades (2018); Creed II (2018); Tough as They Come (2018); Plano de Fuga 3: Devil Station (2019)

Burt Young
 

 








A Máfia Nunca Perdoa (1972); Licença Para Amar Até a Meia-Noite (1973); Chinatown (1974); Rocky: Um Lutador (1976); O Último Brilho do Crepúsculo (1977); Comboio (1978); Rocky II: A Revanche (1979); Rocky III: O Desafio Supremo (1982); Terror em Amityville (1982); Era Uma Vez na América (1984); Rocky IV (1985); De Volta às Aulas (1986); Noites Violentas no Brooklyn (1989); O Casamento de Betsy (1990); Rocky V (1990); Força Bruta (1993); Um Casamento e um Funeral (1997); Mickey Olhos Azuis (1999); Plano B (2001); Pluto Nash (2002); Medo e Obsessão (2004); Transamérica (2005); Rocky Balboa (2006); Ganhar ou Ganhar - A Vida É um Jogo (2011); Roubo a Máfia (2014); The Amityville Murders (2017); Sarah Q (2018)

Geraldine Hughes

 









Duplex (2003);  Rocky Balboa (2006); Gran Torino (2008); O Encontro (2014); O Livro de Henry (2017)

Milo Ventimiglia

 









Ela é Demais (1999); Loucas Férias De Inverno (2003); Amaldiçoados (2005); Stay Alive - Jogo Mortal (2006); Rocky Balboa (2006);  Autópsia de um Crime (2008); Gamer (2009); O Abrigo (2011); Temporada de Caça (2013);  Gente Grande 2 (2013);  Grace de Mônaco (2014); This Is Us (seriados 2016-2018) 

Tony Burton (1937–2016)

 










Assalto à 13ª DP (1976); Rocky: Um Lutador (1976); Rocky II: A Revanche (1979); O Iluminado (1980); Rocky III: O Desafio Supremo (1982); Rocky IV (1985); Armados e Perigosos (1986); Rocky V (1990); Uma Festa de Arromba 2: O Baile do Pijama (1991); Hook: A Volta do Capitão Gancho (1991); Assalto à 13ª Delegacia (2005); Rocky Balboa (2006)

Mike Tyson 
Nunca Fui Amada (2004); Rocky Balboa (2006); Se Beber, Não Case! (2009); Se Beber, Não Case! Parte II (2011); Todo Mundo em Pânico 5 (2013); Portões do Sol (2014); O Grande Mestre 3 (2015); Mike Tyson Mysteries  (seriado 2014 a 2017) 

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

NEMESIS - O EXTERMINADOR DE ANDROIDES / NEMESIS (1992) - ESTADOS UNIDOS / DINAMARCA





Androides, tiros e explosões


Apenas uma certa curiosidade pela gama de atores de filmes B que são mais vistos em filmes fora do grande escalão de Hollywood me levou a ver esta produção.
Confesso que quando vi que o diretor era Albert Pyun eu quase desisti. Ele tem seus admiradores, mas particularmente não gosto muito como realiza seus filmes. Sua filmografia é de altos e baixos: o decepcionante “A Espada e os Bárbaros” (1982); “Cyborg, O Dragão do Futuro” (1989) com Van Damme: ruim, mas salvo pelo carisma do famoso ator; “Capitão América” (1990): muito estranho; “Kickboxer 2: A Vingança do Dragão” (1991): esse Van Damme pulou fora; Road to Hell (2008): a continuação do famoso filme "Ruas de Fogo", que quase ninguém viu e quase ninguém acha pra ver (veja o trailer no Youtube e talvez entenda o porquê).... E aí “Nemesis - O Exterminador de Androides” (1992) me pareceu um filme para se desperdiçar algum tempo. Volta e meia algumas publicações falavam desse filme (entenda-se como apenas citavam) como  mediano. Bom, mediano  dá pra se assistir, então fui descobrir se o diretor nascido no Havaí poderia me criar o interesse em mais algum filme de sua filmografia (muitos que a Rede Bandeirantes volta e meia passava). Então vamos a algumas considerações sobre “Nemesis” e seu diretor que adora fazer filmes de androides e se esse curioso elenco tornou o filme "assistível".


A história (se soar familiar com algum filme que tenha visto, não se preocupe, é normal) conta a respeito de uma sociedade que convive com androides cada vez mais evoluídos que desejam substituir os humanos que destroem o planeta e os caçam até exterminá-los.  Nosso Blade Runner, quero dizer, nosso Nêmesis, ou Alex, é um homem meio máquina, meio ciborgue que sofre avarias e aumentam sua eficiência transformando-o em quase uma máquina. Sim, ele passa do "Homem de Seis Milhões de Dolares" (do Seriado) para uma mistura de "Blade Runner", "Keruak – O Exterminador de Aço" e "Robocop". E nosso herói vai à caça dos androides terroristas que possuem uma nova tecnologia que irá destruir a humanidade.


A humanidade retratada no filme é algo no estilo Mad Max (bem pior, mas querendo parecer melhor) sem população (mas eles existem), prédios (não tem orçamento pra isso). Tá, tem uma cena de um prédio ao fundo em uma rua escondida. As pessoas ou androides que aparecem em cena vivem em bares sujos, cortiços e ruas desertas (deve ter sido feriado prolongado). Pessoas entende-se como ninguém que seja comum, só caras maus armados e mulheres androides. Se você já está torcendo pelo fim da humanidade não será o único, mas o nosso resoluto herói (que é obrigado a seguir sua missão por ter um dispositivo em seu corpo – alguém lembrou de "Fuga de Nova Iorque" ?) começa a ficar em dúvida se está do lado certo da estória. E aí o filme fica pior, quero dizer, melhor. Na verdade, deixo essa parte para o espectador decidir. E o filme segue com tiros, bombas e explosões. Androides indo e vindo (leia-se surgem e morrem), bastante ação e belas androides para não lembrarmos das deficiências do roteiro (roteiro ?). O protagonista vai até o Rio de Janeiro (chamada "Nova Rio de Janeiro"), filmada em qualquer lugar dos Estados Unidos, mas mostrando o Cristo Redentor rapidamente para enganar os incautos.




Mas eis que surge algo interessante a ser assistido (além da belas androides): o elenco. Essa é uma diversão interessante: uma gama de rostos que já vimos e algum lugar, só que todos muitos novos na época. Se você é daqueles que vem assistindo filmes ao longo das décadas e passou pelos VHS e tv aberta, vai se recordar de alguns. Outros ainda estão na ativa e são conhecidos. 


Vamos começar pelo protagonista: o francês Olivier Gruner. Me lembro mais por sua participação no seriado "Guardiões da Eternidade" (2000) que passava pelo SBT. Durou apenas uma temporada. O ator ainda está na ativa e a maioria dos seus filmes vão direto para o mercado de vídeo. Raros são lançados por aqui. Houve o anuncio de que rodará “Cyborg Nemesis: The Dark Rift”  com o mesmo diretor. 



Tim Thomerson ainda está na ativa. Tem uma filmografia extensa e muitos se lembrarão de seus “Trancers”, "Águia de Aço", "De Volta Para o Inferno" e várias participações em séries. Rosto bem conhecido por quem assiste filmes B e assistiu séries antigas. Faz um vilão meio sem graça, mas que dá pro gasto (dentro do que o filme propõe).



Brion James (1945–1999) é outro que já apareceu por aqui no blog em pelo menos três filmes já analisados: "Blade Runner", "O Confronto Finale "Crepúsculo de Aço". Outro ator de vários filmes B. Acompanha o vilão. Tem algumas falas e ... mais nada.


Cary-Hiroyuki Tagawa é um excelente ator, mas subutilizado por Hollywood como muitos outros excelentes atores orientais. Pode ser lembrado por "47 Ronins",  "Skin Trade - Em Busca de Vingança" e "Sempre ao Seu Lado". Seu personagem  é um vilão que chega metendo medo, parece que vai ser determinante na estória e ... nada


Thomas Jane (que assinava Tom Janes) talvez tenha sido o que melhor conseguiu se posicionar na carreira: pode ser lembrado pelo herói da Marvel, "O Justiceiro" (2004) e "O Nevoeiro" (2007). O nome de batismo do ator é Thomas Elliot III. Fará o remake de “O Predador“, de 1987, prometido para 2018. Aqui o ator surge como se fosse fazer algo de importante na estória e ... nada.


Yuji Okumoto. Se você viu "Karatê Kid II: A Hora da Verdade Continua" se lembrará do jovem vilão do filme que inferniza a vida de Daniel San e seu mestre Sr Miyagi. Sua participação teve uma veia cômica muito interessante, bem diferente do cara mau de seu mais conhecido sucesso.


Deborah Shelton será sempre lembrada por sua participação no filme "Dublê de Corpo" (1984) do diretor Brian De Palma. A atriz teve várias participações em séries antigas e ainda está na ativa alternando filmes e seriados que não passam por aqui. Shelton teve boa participação nesta produção e estava lindíssima (o diretor só colocou mulheres bonitas)


Sven-Ole Thorsen é um ator e ex-fisiculturista que apareceu em várias produções do ator Schwarzenegger: "Conan, O Bárbaro" (é um dos guarda-costas do vilão); "O Sobrevivente" (o guarda-costas do vilão); "Guerreiros de Fogo" (o guarda-costas do vilão) "Jogo Bruto" (advinha ?), "Inferno Vermelho" (briga no gelo) ... Muitas como participação não creditada (ou seja, não citada nos filmes). Aqui não é diferente. Aparece em uma cena em que aborda uma velhinha nada amistosa.


Jackie Earle Haley pode não ser um ator muito conhecido por aqui, mas quem curte cinema pode se lembrar de suas participações em filmes como  "Watchmen: O Filme" (personagem Rorschach); o remake de "A Hora do Pesadelo" (como Freddy Krugeer) e a "Ilha do Medo" (o preso que fala com  com o personagem de Leonardo Di Caprio). Reconheci seu nome nos créditos como "Eisntein", mas não o encontrei no filme. parece ser um dos quatro caras que enfrentam Alex numa cidade.

Vincent Klyn (com um personagem de nome "Michelle" !!??) entra nessa lista por sua curiosa participação como o vilão que enfrenta o personagem de Van Damme em "Cyborg, O Dragão do Futuro" (1989), por sinal também dirigido por Pyun. Tinha feito "Caçadores de Emoção" (1991) com Patrick Swayze e Keanu Reeves, onde aparece de relance como um dos surfistas maus. Participou também de “Double Dragon” (1994). Continua na ativa em produções pouco conhecidas por aqui.



Nemesis é ficção científica trash. É um gênero adorado por muitos e renegados por outros tantos. É um filme, como diria, bom de tão ruim. É divertido, absurdo, sem noção, com uma narração em off chata (esse diretor deve ter adorado "Blade Runner"). Tem um androide no estilo "Exterminador do Futuro" (quando fica só o esqueleto metálico), mas que ficou parecendo um dos esqueletos de "Jasão e os Argonautas". É um filme bom pra analisar porque é divertido catar referências e absurdos. Indicado para amantes do gênero ou para o pessoal que gostava de pegar filmes de ação nas locadoras.

Trailer:

Curiosidades:
No cinema e Tv foi exibido como "O Exterminador de Andróides"

Gene Warren, diretor de efeitos visuais desta produção, foi também o diretor de efeitos de "O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final (1991)".

Deborah Shelton não aceitou usar uma dublê de corpo na cena em que aparece nua.

Em algumas versões o narrador é Alex, outras, Jared (Marjorie Monaghan ).

O filme foi feito em 1992 e só chegou aos cinemas 1993. Na Inglaterra só foi distribuído em 2010.

O filme se passa em 2027.

"Nemesis 2: Nebula" (1995) se passa 73 anos após este filme

Albert Pyun dirigiu as outras 3 sequências: Nemesis 2: A Última Esperança (1995); Nemesis III: Prey Harder  (1996); Nemesis 4: Death Angel (1996)


Thom Mathews  de "Sexta-Feira 13: Parte 6" e "A Hora dos Mortos Vivos 1 e 2", aparece como o robô que tem uma arma no rosto

Marjean Holden (que fez Sam) esteve  em "Mortal Kombat - A Aniquilação" (1997) com a personagem  Sheeva

Vários androides masculinos tem nome femininos no filme: Angie-Liv; Michelle; Marion ...

O cartaz do filme é muito legal (a foto em destaque), mas esse visual não existe no filme

Atores/ Atrizes:

Deborah Shelton em Dublê de Corpo

Yuji Okumoto em Karatê Kid II

Sven-Ole Thorsen em Conan- O Bárbaro

Vincent Klyn em Cyborg, O Dragão do Futuro

Thomas Jane em O Justiceiro

Cary-Hiroyuki Tagawa em O Fantasma


Filmografia Parcial:
Olivier Gruner
Nemesis - O Exterminador de Andróides (1992); Savate, Lutador Indomável (1995); Força de Elite (1999); Vingança Sem Limites (2001); SWAT: Warhead One (2004); Lost Warrior: Left Behind (2008); Beyond the Game (2016); Cyborg Nemesis: The Dark Rift   


Tim Thomerson
O Casal Osterman (1983); De Volta Para o Inferno (1983); Águia de Aço (1986); Quando Chega a Escuridão (1987); Cherry 2000 (1987); Trancers II (1991); O Alien do Mal (1992); Trancers III (1992); Nemesis - O Exterminador de Andróides (1992); Trancers 4: Jack of Swords (1994); Trancers 5: Sudden Death (1994); Perseguição Implacável (1995); Paparazzi (2004).

Brion James

Lutador de Rua (1975); Dois Vigaristas em Nova York (1976); A Outra Face de Moisés (1980); O Confronto Final (1981); Blade Runner, o Caçador de Andróides (1982); 48 Horas (1982); O Senhor das Águias (1984); Conquista Sangrenta (1985); Inimigo Meu (1985); O Aniquilador (1986); Crepúsculo de Aço (1987); Cherry 2000 (1987); Morto ao Chegar (1988); Inferno Vermelho (1988); Escorpião Vermelho (1988); Tango e Cash - Os Vingadores (1989); 48 Horas - Parte 2 (1990); Nemesis - O Exterminador de Andróides (1992); Showdown - A Hora de Vencer (1993); O Quinto Elemento (1997); Perseguidos Pela Máfia (2000). 
 
Cary-Hiroyuki Tagawa

O Último Imperador (1987); Irmãos Gêmeos (1988); Feitiço Diabólico (1988); 007 - Permissão para Matar (1989); A Arma Perfeita (1991); Massacre no Bairro Japonês (1991); América do Medo (1992); Nemesis - O Exterminador de Andróides (1992); Sol Nascente (1993); Mortal Kombat (1995); O Fantasma (1996); Vampiros De John Carpenter (1998); Duelo de Dragões (1999); A Cilada (2000); Pearl Harbor (2001); O Planeta dos Macacos (2001); Elektra (2005); Memórias de uma Gueixa (2005); Genghis Khan: A Lenda de um Conquistador (2009); Sempre ao Seu Lado (2009); 47 Ronins (2013); Skin Trade - Em Busca de Vingança (2014).
 


Thomas Jane
Buffy - A Caça-Vampiros (1992); Nemesis - O Exterminador de Andróides (1992); O Corvo: A Cidade dos Anjos (1996); Sem Limite (1997); A Outra Face (1997); Boogie Nights: Prazer Sem Limites (1997); Do Fundo do Mar (1999); Magnólia (1999); Sob Suspeita (2000); Além da Linha Vermelha (1998); O Apanhador de Sonhos (2003); O Justiceiro (2004); O Nevoeiro (2007); A Era da Escuridão (2008); A Máquina (2015).


Deborah Shelton

Dublê de Corpo (1984);  Obsessão (1988); Nemesis - O Exterminador de Andróides (1992); Segredos da Noite (1993); Circuitry Man 2 - A Volta de Plughead (1994); The Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde (2006); Blood Type (2017)

Sven-Ole Thorsen

Conan, o Bárbaro (1982); Conan, o Destruidor (1984); Guerreiros de Fogo (1985); Jogo Bruto (1986); Máquina Mortífera (1987); O Predador (1987); O Sobrevivente (1987); Inferno Vermelho (1988); Irmãos Gêmeos (1988); Caçada ao Outubro Vermelho (1990); O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final (1991); Harley Davidson E Marlboro Man - Caçada Sem Tréguas (1991); Máquina Mortífera 3 (1992); Nemesis - O Exterminador de Andróides (1992); Vencer ou Morrer (1993); Dragão: A História de Bruce Lee (1993); O Último Grande Herói (1993); O Alvo (1993); Em Terreno Selvagem (1994); Rápida e Mortal (1995); Ameaça Nuclear (1996); Queima de Arquivo (1996); George: O Rei da Floresta (1997); Kull - O Conquistador (1997); Best of the Best 4 - Sem Aviso (1998); O 13º Guerreiro (1999); O Fim dos Dias (1999);Gladiador (2000); Efeito Colateral (2002); Timecop 2 - O Guardião do Tempo (2003); Refém (2005);

Jackie Earle Haley 

O Dia do Gafanhoto (1975); Herança Nuclear (1977); O Vencedor (1979); Porky 3 (1983); A Gang do Zoo (1985); Nemesis - O Exterminador de Andróides (1992); Maniac Cop 3 - O Distintivo do Silêncio (1993); Pecados Íntimos (2006); O Efeito da Fúria (2008); Watchmen: O Filme (2009); Ilha do Medo (2010); A Hora do Pesadelo (2010); Sombras da Noite (2012); Lincoln (2012); RoboCop (2014); O Nascimento de Uma Nação (2016); Preacher  (seriado 2016); A Torre Negra (2017); Alita: Battle Angel  (2018).

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

LION: UMA JORNADA PARA CASA / LION (2016) - REINO UNIDO / AUSTRALIA / ESTADOS UNIDOS




Nunca Desista

Saroo (Sunny Pawar) é um menino indiano de cinco anos que passa seus dias ajudando o irmão Guddu (Abhishek Bharate) a catar pedras e executar pequenos serviços por míseras quantias,para sua mãe ter comida para alimentar a família. 
Certo dia ao acompanhar Guddu,  Saroo acaba embarcando indevidamente em um trem vazio indo parar em Calcutá, a 1.600,00 Km de distância de sua cidade natal. Saroo  não sabe o nome da mãe. O lugar onde alega morar não é conhecido pelas autoridades. O pequeno menino vaga pelas ruas até parar em um orfanato e ser adotado por um casal australiano. 25 anos depois Saroo resolve empreender uma busca para reencontrar sua família.


Baseado no livro de Saroo Brierley "A Long Way Home", Lion  é um filme elaborado de uma forma muito sensível graças a um inspirado roteiro de Luke Davies (”Resgate de uma Família”) que, desde o início, leva a reflexões do cotidiano.
Garth Davis (em seu primeiro filme) foi muito feliz ao apresentar as várias camadas sociais por trás da história (nos 40 minutos iniciais) de Saroo e aí reside o grande atrativo da produção: expor de uma forma bem sutil um lado cruel da sociedade indiana: Saroo vai parar nas ruas e vê o destino de muitas crianças que “desaparecem”. A visão que o cineasta dá à plateia é a do menino. Seus olhos  contemplam, observam, se assustam. O filme não diz o que irá acontecer àquelas crianças, mas o espectador  terá uma ideia. Uma forma sutil de mostrar uma sociedade doente sem se abster de contar a história. Uma sociedade tão parecida com a nossa, onde as pessoas não se importam com os menos favorecidos e uma parcela só quer saber de se aproveitar delas da pior maneira.
Saroo vai parar em um orfanato e lá percebe que o lugar não é seguro para crianças. A sorte lhe sorri ao ser adotado por um casal australiano (vividos por David Wenham e Nicole Kidman), mas o desejo de encontrar sua família real só aumentará ao longo dos anos ao ponto de deixa-lo obcecado em voltar ao seu país de origem.


Só que se Lion tem nos primeiros 40 minutos um ritmo perfeito, a segunda parte o filme se torna um pouquinho inferior ao diretor colocar o pé no freio para apresentar a adolescência e a fase adulta do protagonista, já ambientado no seu novo país em dua relação com os pais adotivos e com um meio irmão problemático, também adotado.  Aqui Saroo tem quase tudo: uma bela família, conforto e tranquilidade.  Estudo, educação de qualidade e uma namorada que o apoia, mas Saroo (agora interpretado por Dev Patel) que reencontrar a família sem magoar a que o adotou. Nessa segunda parte, Garth Davis resolveu seguir a cartilha dos filmes baseados em fatos reais e se concentra em mostrar as aflições de um adulto sem identidade, que somente sua família original poderá devolver a ele.


O elenco foi muito bem escolhido: Sunny Pawar (em sua estreia) prende nossa atenção na tela como o pequeno Saroo e sua história é bem mais interessante que a do Saroo adulto, vivido por Dev Patel ("Quem Quer Ser um Milionário?").  Patel vem crescendo como ator e “O Homem que viu o Infinito” é uma amostra de seu potencial. O ator está muito bem, mas foi prejudicado por uma sequencia mais cadenciada que a de Pawar (o que não o impediu de concorrer ao Oscar).  Falando em prejudicar, Rooney Mara, da versão americana de “Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres”, está bem subutilizada fazendo apenas o papel da namorada do protagonista que aparece e desaparece na trama. Vamos ver como se sai agora em seu próximo filme “Maria Madalena”. Nicole Kidman foi indicada também ao Oscar, não só por seu monólogo, mas como um todo. Ela realmente é a força da segunda parte. Quando surge em cena engole os demais, apesar da história não ser centrada em sua personagem, ainda que a adoção daquela criança perdida tenha sido no final o motivo do livro e filme existirem. David Wenham (de “300”) e Abhishek Bharate estão corretos, com maior destaque para o segundo.



Lion merecidamente concorreu a seis Oscars. Possui uma boa direção, trilha sonora de bom gosto e fotografia de primeira. A história prenderá do início ao fim, onde o destino de cada um será revelado.
Indicado para aqueles que gostam de filmes baseados em fatos reais, cuja qualidade da obra seja logo perceptível no início da projeção.


Trailer:



Curiosidades:
Patel foi ao orfanato de Saroo.

Patel   pegou o trem original que levou acidentalmente Saroo à Calcutá.

A primeira cena que Patel gravou foi a última do filme

Garth Davis dirigirá Rooney Mara em "Maria Magdalena" (2018).

Sunny Pawar e  Abhishek Bharate estarão juntos novamente em "Love Sonia" (2018).

A personagem de Rooney Mara é uma condensação das várias namoradas que Saroo teve ao longo de sua jornada

Indicado a 6 Oscars: melhor filme, ator coadjuvante (Patel), atriz coadjuvante (Kidman), roteiro adaptado, fotografia e trilha sonora original


Nicole Kidman tem duas crianças adotadas do primeiro casamento com Tom Cruise
 

Filmografia Parcial:

Dev Patel

 









Quem Quer Ser um Milionário? (2008);  O Último Mestre do Ar (2010); O Exótico Hotel Marigold (2011); O Exótico Hotel Marigold 2 (2015);  O Homem que viu o Infinito (2015);  Lion: Uma Jornada Para Casa (2016); Hotel Mumbai (2018)

Rooney Mara

 









Os Segredos de Tanner Hall (2009); A Hora do Pesadelo (2010); A Rede Social (2010); Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres (2011); Trash: A Esperança Vem do Lixo (2014); Lion: Uma Jornada Para Casa (2016); Mary Magdalena (2018)

Nicole Kidman
 


  Archer, o Corcel Lendário (1985); Terror a Bordo (1989); Dias de Trovão (1990); Um Sonho Distante (1992); Malícia (1993);  Batman Eternamente (1995); O Pacificador (1997);  Da Magia à Sedução (1998);  De Olhos Bem Fechados (1999); Moulin Rouge: Amor em Vermelho (2001); Os Outros (2001); Dogville (2003); Cold Mountain (2003); Reencarnação (2004); A Feiticeira (2005); Invasores (2007); A Bússola de Ouro (2007); Austrália (2008);  Uma Longa Viagem (2013); Grace de Mônaco (2014); Rainha do Deserto (2015);  Lion: Uma Jornada Para Casa (2016); O Estranho que Nós Amamos (2017); Aquaman (2018)

David Wenham 

 









Fuga de Absolom (1994); Cidade das Sombras (1998); Damião: O Santo De Molokai (1999); Moulin Rouge: Amor em Vermelho (2001); O Senhor dos Anéis: As Duas Torres (2002); O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (2003); Van Helsing: O Caçador de Monstros (2004); A Proposta (2005); 300 (2006); Austrália (2008); A Papisa Joana (2009); 300: A Ascensão do Império (2014); Lion: Uma Jornada Para Casa (2016); Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar (2017);